sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Novidades do Bound Brazil e final de votação

Cento e vinte sete pessoas votaram na enquete em Janeiro e escolheram a Bound Brazil Girl do mês. Com 33% dos votos Fernanda foi à escolhida pelos amigos do blog e assinantes do site.
Para que todos conheçam um pouco dessa carioca de 21 anos, prometo uma entrevista exclusiva na próxima semana, e, também, disponibilizar um email direto dessa gata onde todos poderão fazer as perguntas que desejarem para a vencedora.
Esse resultado bem apertado, em nenhum momento desmerece as outras modelos do site, uma vez que as cinco que participaram da enquete foram escolhidas pelo quesito do acesso dentro do Bound Brazil. Portanto, quero expressar meu agradecimento a todas pela participação e elogiar a dedicação de cada uma delas por levar o bondage brasileiro aos quatro cantos do mundo.

HOJE NO BOUND BRAZIL


A segunda parte do vídeo Nasty Pictures com a participação de Scarlet, Nicole e Giulia, apresenta a obstinação de uma fotógrafa em conseguir a todo custo à participação de belas modelos em seu trabalho fotográfico.
A partir do seqüestro de Giulia a trama toma contornos de ação e suspense com um final eletrizante, típico dos dias de verão carioca.
“Cenas em Slow Motion” marcam um novo modelo de edição dos novos vídeos e o assinante vai tendo uma melhor percepção das imagens geradas por duas câmeras diferentes, em ângulos opostos.
A excelente atuação de Nicole é simplesmente imperdível!
Para conferir e comentar aqui.

Dois novos sets fotográficos fazem parte das atrações de hoje.
A volta das sempre solicitadas Beth e Nicole com excelente trabalho de bondage sob o olhar atento da lente de Lucia Sanny.

Na próxima semana terá início uma nova enquete.
Conto com a participação de todos para a escolha do tema.
Bom fim de semana a todos.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Resultado da primeira enquete


A primeira enquete de 2009 chega ao fim.
Duas eram as questões: a modelo mais atraente do Bound Brazil que tem disputa acirrada e encerra amanhã. A outra, o melhor comentário do mês que teria como brinde aqui do blog uma mensalidade como membro do Bound Brazil por trinta dias.
A disputa pela mais bela modelo segue até amanhã, mas hoje divulgo o ganhador da assinatura grátis, autor de um comentário muito inteligente e elucidativo durante o mês de Janeiro.
Outros belíssimos comentários merecem registro, mas como somente um poderia ter direito ao premio, divulgo abaixo exatamente como foi postado no dia 10 de Janeiro, a respeito da matéria: Fetiche, como ir pra cama sem ele.
“Caro ACM
Gostei deste post. Reflete bem certos conflitos de quem tem estes interesses, mas nem sempre pode manifestar-los livremente, sem "amarras".
Identifico-me em muitos aspectos, no tocante que tenho uma mulher/esposa à qual amo e adoro, mas com quem ainda não vi como incluir bondage/podolatria na parte sexual. Posso estar errado em minha avaliação, mas minhas tênues tentativas "introdutivas" com presentes como lingeries e sapatos de salto tiveram apenas relativo sucesso, sem me estimular o "passo seguinte".
É bem o caso do estímulo que pode pintar com um filme "comum" como Ata-me. Mas ainda não chegou a esse ponto. Enquanto isso, ainda sinto-me dividido, com um bondagismo/podolatrismo de uma vida toda de um lado e um amor concreto e real por outro. Por isso me identifiquei com o post.Não escrevo para "resolver" meu dilema. Escrevo para manifestar a identificação. E para também manifestar minha admiração pela sua iniciativa, à qual tomei conhecimento recentemente.
Gostei muito de seu trabalho. Garotas com aparência real, brasileiras, que pedem "socorro!”e não "help!”“, que parecem meninas que você encontra em qualquer escritório ou balada noturna, que balbuciam sob as mordaças palavras em português e não em outra língua. Que dão à sensação e noção de proximidade, de realidade. E que não se parecem em nada com as anteriores e poucas tentativas nada esteticamente belas de bondage brasileiro.
Ao descobrir a existência do Bound Brazil e entrar, temi ver o mesmo produto tosco de sempre, mas não foi o caso. O que vi foi um trabalho admirável, semelhante ao que vemos de fora de bondage puro, sem pornografia, sem nada com três X, com fetiches de roupas e pés calçados e descalços, com amarradas em cadeiras e em hogties.
Com a sugestão do real para consumar essa fantasia que temos tão forte. “Por tudo isso, meus parabéns e meu compromisso de sempre acompanhar o que você produz.”

Manifesto através dessa matéria ao leitor FClegg, autor do texto, meu profundo agradecimento pelas palavras de elogio ao trabalho desenvolvido, e aproveito também para enaltecer a compreensão com o assunto em questão e seu conhecimento de bondage. Fantástico!
O amigo deve enviar um email para: contato@boundbrazil.com ou boundbrazil@gmail.com identificando-se como maior de idade, visto que essa senha não será fornecida por nenhum dos distribuidores do site, que possuem mecanismos de identificação. Um email será enviado com um código que deverá ser apresentado em sua correspondência.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O Primeiro Encontro


A questão é sempre a mesma: segurança pessoal.
Muitos sites e blogs fornecem dicas para um primeiro encontro real depois do virtual.
Se for levado em conta que encontros fora do circuito BDSM precisam ser cercados de cuidados, imaginem do lado de dentro desse círculo onde certas atividades fazem com que o perigo ronde a nossa volta?
Pessoas se conhecem através de salas de bate papo ou pelas listas de atividades BDSM espalhadas pelo Brasil, portanto, os nicks são o primeiro meio que identifica alguém para uma primeira conversa virtual. O nome real vem depois.
Aos poucos se fala de atividades, cada um expressa a maneira que mais lhe atrai no fetiche, e em bem pouco tempo as intimidades ficam expostas e gravadas dentro dos HD’s de cada computador.
Nesse momento, quando se aproxima a possibilidade das coisas se tornarem reais, toda informação colhida sobre esse novo parceiro ou parceira é de extrema importância, e podem ser obtidas por conversas com pessoas que há mais tempo freqüentam o mesmo site ou lista e, por alguma razão, possam ter tido envolvimento com seu novo amigo (a).
Pergunte, não tenha receio algum porque a lamentação posterior seria muito pior.
Tente conseguir qualquer informação adicional com seu amigo (a) virtual que seja palpável e possa ser checada, antes de se entregar a uma aventura às cegas. Se existir vontade verdadeira para esse primeiro encontro, a pessoa indagada jamais se furtará a fornecer um numero de telefone fixo, um endereço, ou qualquer outra indicação que possa tranqüilizar a quem está indeciso.
Testar os conhecimentos sobre práticas BDSM dessa pessoa que se aproxima também é de suma importância, pois pode indicar que se trata de alguém do meio. Não é muita coisa, mas já pode ser um indício de se tratar de um praticante, e, portanto, conhecido no mundo em que você está iniciando.
Nunca aceite um primeiro encontro a portas fechadas e busque sempre locais públicos e movimentados, desconfiar confiando é uma forma de não passar uma má impressão a alguém, e ao mesmo tempo, obter a proteção devida diante de um envolvimento iminente.
BDSM não é um filme de terror, embora muita gente desconheça isso, mas é preciso ter a noção exata do que pode suceder antes de criar falsas expectativas.
“No mundo virtual o chicote é um elemento de desejo, mas na vida real nem todos suportariam uma chibatada no lombo” – Domme Morrigan.
Nos dias de hoje, nas grandes cidades os caminhos são cercados de percalços que nos fazem ter cuidado até para ir de um lugar a outro, portanto como já dizia um velho ditado, “prudência e canja de galinha não faz mal a ninguém”.
A vida é uma festa para quem sabe viver, mas é necessário que cada um tenha noção do que deve e do que não pode ser feito. Fetiche é muito bom e fora da tela do computador melhor ainda, porém, exemplos não faltam para que todos possam ter momentos mais seguros.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

BDSM e Erotismo

Muitas matérias nesses dias tocaram num assunto delicado: a confusão que se faz entre a realização de produções de BDSM e pornografia.
E há diferenças enormes entre esses dois termos, entretanto, ainda se misturam em pouquíssimos casos e chegam a aparecer em algumas produções que são realizadas na Europa, porque engana-se quem pensa que esse tipo de material se funde nos Estados Unidos.
Faz tempo que a indústria pornográfica americana criou um muro entre suas realizações e o BDSM e encara essa disputa como concorrência direta. Em alguns sites especializados como o Chanta’s Bitches, que apresenta mulheres dominando mulheres, Fucked and Bound com homens dominando mulheres e o Captive Male onde mulheres dominam os homens, os atos sexuais são mostrados por completo, sem cortes ou censura ao contrário de sites Norte Americanos que por lei somente exibem esse conteúdo com cenas montadas.
Essas produções pornográficas de BDSM são exceções raras na indústria mundial.
Vai aqui uma dica para quem aprecia esse tipo de produção e gostaria de ver algum preview. O site http://www.allfreefetish.com/home atualiza pequenos clipes dessas páginas especializadas citadas acima.
Dentro desse mesmo cenário pode-se imaginar um elo entre o BDSM e o erotismo, que nada tem a ver com pornografia. Ninguém pratica fetiches porque acha chique, bonito ou porque é moda. BDSM é uma orientação sexual e, portanto, diretamente ligada ao erotismo.
Erotismo é o conjunto de expressões culturais e artísticas referentes ao sexo, o que melhor classifica as produções de BDSM com apelos sexuais. Isso desmistifica uma tendência que inevitavelmente compara o fetiche à pornografia.
Todos esses conceitos, porém, estão diretamente relacionados com produções artísticas e em nada tem a ver com vida a dois. Dentro de uma relação toda expressão é aceitável sempre e quando haja conceito consensual, mas a intenção é buscar um ponto de interseção entre o que se produz no campo do BDSM que erroneamente é comparado com pornografia e o erótico.
O fetiche segue seu próprio caminho nos dias de hoje e não depende da pornografia para conseguir espaço, tanto no Brasil como pelo mundo.
A feira “Fetishcon” que todos os anos acontece nos Estados Unidos reúne os expoentes desse segmento com resultados incríveis para quem é parte do meio.
O site Bound Brazil lançado no fim do ano passado, possui membros ativos de todas as partes do globo, e apesar de ser o primeiro site especializado num único fetiche (bondage) produzido no Brasil, concentra no exterior mais de setenta por cento de seus assinantes. Isso acontece em diversos sites de paises com pouca tradição nesse segmento, como na Rússia e em todo o Leste Europeu. Apesar disso tudo, a incidência de membros brasileiros no Bound Brazil já ultrapassa as expectativas o que mostra um interesse bem maior que o esperado.
Mas como uma onda, o fetiche passo a passo descobre o Brasil e é aceito por uma grande parcela da sociedade, sendo destaque em peças de dança contemporânea, em ensaios fotográficos de modelos famosas (Adriane Galisteu recentemente lançou um set de fotos com cenas de bondage) e até em desfiles de moda íntima.
A globalização é responsável direta por essa integração que aos poucos ocupa seu espaço. Meios de comunicação que lamentavelmente denigrem a imagem de praticantes, e por total falta de conhecimento insistem em classificar todas as tendências dentro de um único segmento, terão obrigatoriamente que se adequar a esses conceitos, sob pena de ficarem ultrapassados diante de uma visão mundial. Em resumo, não precisa ir muito além para perceber que erotismo nada tem a ver com pornografia, e basta um mínimo bom senso para acabar com essa falsa imagem sensacionalista de que todo fetichista é um anormal.

(Foto da Matéria: Adriane Galisteu e seu ensaio fetichista - Vogue)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Pra Você!



Legal quando você abre a caixa de emails e recebe um carinho que chega através de simples palavras. Na era da internet é assim, o vento chega a ser mais lento que as mensagens cibernéticas.
E como voam esses correios eletrônicos...
Mas pra você que me mandou essa palavra amiga e um selo de apoio eu nem tenho maneiras de expressar um muito obrigado do tamanho de um oceano. Você sabe quem é “você”!
E pra você que me envia um email com propostas de manter segredo em troca de informações para um “furo” furado de reportagem, apenas lamento...
E olha que já vi tanta coisa nessa vida que não imaginava como falar mal da vida alheia rendia tantos frutos. Você também sabe quem é “você”!
E como dizia Vicente Mateus, depois da tempestade vem à ambulância, ou seja, tudo segue igual e se quiser saber de mais alguma coisa é só percorrer os diversos caminhos mundo afora, onde ser fetichista é uma coisa tão normal como usar uma calça jeans, como andar no calçadão de Copacabana numa manhã de Domingo e à tarde assistir a uma partida de futebol.
Porém, os espantos devem seguir com os conspiradores dentro de suas mentes fantasmagóricas, porque aqui é lugar de gente normal e, portanto, temos coisas muito mais interessantes para tratar do que cuidar de pessoas que não merecem nossa atenção.
Verdade que nesse hemisfério sul temos muito a evoluir, mas sem sofisma, é importante salientar que nos dias de hoje muita gente trabalha em silencio, em blogues e sites para que o anormal passe a ser considerado aceitável. E por isso estamos aqui há quase oito meses tentando desvendar esse mistério, no entanto nada e ninguém vão impedir que esse rio siga seu curso.
No universo fetichista ninguém se submete a nada que não seja por vontade própria, bem diferente de outros segmentos considerados “aceitáveis”, onde diversas pessoas aceitam condições que “nós” não aceitamos. Parece redundância, mas é isso mesmo na acepção da palavra.
O fetiche é tão pessoal como escova de dente, cada um “usa” a sua uma, duas, três vezes ao dia, como lhe convém, e existe respeito por tudo e por todos.
Portanto, vamos entrar na onda da “paz e amor” achando graça quando dizem que uma pessoa amarrada e vestida é pornografia, mas se o assunto descambar para prostituição o bicho pega, porque ninguém pode denegrir a imagem alheia achando que vai ficar barato.
Querem colocar fotografias em seus sites e blogues que não lhes pertence e que jamais foram autorizados a utilizar, sem problemas, mas sem tirar o “copyright”, ou seja, a legenda da foto com o nome do proprietário, porque isso é roubo de imagem tanto aqui como em qualquer lugar do universo.
Nós fetichistas temos muito a acrescentar a nós mesmos e em nada dependemos de gente que nada sabe e sequer se importa em saber. E isso é regra: antes de falar sobre qualquer assunto, deve-se buscar informação a respeito, porque soa hilário para quem conhece o assunto e se depara com disparidades.
Alguém já me viu aqui falando sobre turbina de avião? Sabe por quê? Porque não entendo nada disso e me sentiria ridículo falando de algo que não tenho a menor idéia do que seja.
Pois assim deve se sentir essa gente, tão ridícula e pequena quanto os assuntos aos quais se dedicam.
E vamos falando...


AMANHÃ NO BOUND BRAZIL

E por falar em coisa boa, duas estréias nas Terças do Bound Brazil.
Guilia e Sophia apresentam seus primeiros trabalhos fotográficos.
Confiram e comentem!

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

A Noite dos Mascarados


Havia uma grande festa fetichista e depois de tanta divulgação todos correram ao local.
Numa noite alta de verão o “Dress Code” fazia a diferença e nele, a exigência do uso de Máscara.
Então, noite adentro as revelações iriam acontecendo uma a uma da forma mais natural possível, até que cada mascarado encontrasse seu par e completasse a viagem maravilhosa.
Fetichistas de todos os cantos e lugares juntos congregavam a vida, e aquele momento era o experimento da felicidade em sua mais plena expressão. Do lado de fora ficaram os problemas, as desavenças e a união era o ingrediente principal daquele grande baile de máscaras.
Os únicos elementos barrados na festa eram o preconceito, o desrespeito e a desunião. Tendências eram aceitáveis por todos, ninguém se importava com os botões da roupa de quem estava ao redor, com a cor do cabelo, da pele, enfim, do lado de dentro só a Máscara separava as pessoas.
Engraçado que sempre achei excitante fazer parte de um baile de máscaras, porque embora se possa reconhecer alguém por outras características além do rosto coberto, sempre existe aquele frisson de ver a face desnuda. A magia é importante quando existe o tal momento perfeito e a máscara tem todo esse aspecto mágico.
Boa musica, o conhecido aconchego, porque mesmo mascarados todos sabiam com quem estavam falando.
E o Mestre de Cerimônias anuncia que é chegado o momento de se revelar, de mostrar o detalhe que as máscaras escondiam. Os entreolhares, os cochichos, e aquela excitação de ver quem seria o primeiro a se revelar. O anfitrião insistia e os olhares percorriam as distancias necessárias para tentar visualizar quem seria o primeiro a dar passo a frente.
Nada...
- Vamos Senhoras e Senhores, é hora de mostrar o que a máscara esconde – insistiu.
Alguém gritou: - Mas se é um baile de máscaras por que devo tirar a minha?
O MC seguiu tentando convencer a todos de que a regra da festa dizia que chegada à meia-noite todos deveriam se revelar, mas mesmo assim muitos pareciam indecisos esperando que alguém “atirasse a primeira pedra”.
Coube a alguns a tarefa de ajudar o Mestre de Cerimônias a cumprir a sua tarefa e resolutos deixaram à máscara cair pela face revelando seus rostos.
- Pronto! – Bradou – Todos agora devem revelar quem está detrás de cada máscara.
Alguns poucos assentiram, mas outros muitos cabisbaixos deixaram o ressinto e simplesmente foram embora, deixando para trás aquela festa maravilhosa e todo o glamour que exalava do local deixou de existir...
Porém, os poucos ficaram, mas estavam tão sós que aquele grande baile perdera totalmente o sentido.

Resumo da Ópera: às vezes precisamos nos revelar para sermos respeitados e encarar a realidade assumindo uma posição de pertencer a um segmento de minoria. Só assim, o preconceito será totalmente banido e o respeito será consolidado. Olhar o mundo de frente, ter orgulho de si mesmo, esquecer que o comentário jocoso de pessoas desprovidas de caráter e sensibilidade serve somente para denegrir a quem se importa.
Ninguém precisa revelar a identidade ao mundo se acaso as razões forem imponderáveis, mas tem a obrigação de se mostrar diante dos seus.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Veja Amanhã no Bound Brazil

Nessa Sexta, na sessão de fotos a estréia de Mac amarrada em hogtie com meias de seda negras atendendo a inúmeros pedidos dos assinantes. Na segunda atualização, o lançamento de mais um trabalho da belíssima Claudia que concorre ao posto de modelo mais atraente do Bound Brazil.
E por falar nessa enquete, ainda restam sete dias para encerrar a votação e a disputa segue acirrada, tanto pela modelo mais linda como pelo comentário mais interessante, que será premiado com um mês de assinatura grátis no Bound Brazil. Então, vale a participação de todos até o final de Janeiro.


E atenção meninas assinantes do site.
Amanhã a estréia do modelo Marcos Almeida abrindo definitivamente a participação masculina no Bound Brazil, no vídeo ¨Bondage Game¨.
O filme com vinte minutos de duração conta à história de um rapaz que é seqüestrado por duas lindas garotas e submetido aos seus desejos.
Com roteiro de Mrs. Nefer, Marcos é capturado através da sugestão de um jogo de bondage, onde é convencido a participar da trama sem imaginar as conseqüências.
Com um imprevisível final e excelente atuação do elenco, ¨Bondage Game¨ apresenta seqüências eletrizantes totalmente ligadas ao fetiche.
Imperdível!

Já está funcionando o serviço de cobrança para cartões de crédito internacional da Verotel no Bound Brazil, atendendo a solicitação de vários visitantes quanto à utilização do Cartão Visa.
(Foto no alto da matéria: Mac - Foto abaixo a esquerda: Cláudia)

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

O Caso Sarah Kozer


Há alguns anos, nos Estados Unidos, aconteceu o caso Sarah Kozer.
Sarah, no auge de seus vinte e poucos anos, aceitou participar de fotos e vídeos para um site sobre fetiches dos EUA, o FM Concepts. Muitos sets de fotos e vídeos foram produzidos com a bela loira.
Ocorre que, alguns anos mais tarde, Sarah tornou-se participante em um reality show, chamado Joe´s Milionarie, onde várias candidatas concorriam ao prêmio de se casar com um Milionário. Tudo “balela”. Não passava de um ator enganando as pobres mocinhas.
Ms. Kozer ficou em segundo lugar no Reality Show. Mas ficou mais famosa que a vencedora. Tudo por conta do “escândalo” quando descobriram seu passado como modelo de bondage e fetiches.
Lá no site ela usava o nome de Cindy Schubert e era amarrada, sempre vestida, ao lado de outras garotas, de homens e até encenando estar dominando homens. Nada de vulgaridade, nudez, pornografia acontecia. No entanto, diziam as manchetes dos blogs americanos sobre o caso: “finalista de reality show tem passado fetichista”, “as fotos picantes de Sarah Kozer”, “a safada Sarah” e coisas assim.
As fotos estão no site até hoje, nunca foram retiradas, mesmo com a fama adquirida pela bela donzela, que lhe rendeu inclusive uma capa da Revista Playboy.
Sarah contou que aceitou o trabalho de modelo de fetiches para ajudar a pagar a faculdade e que certa vez comentou com sua mãe sobre o trabalho, ocasião em que deram boas risadas e ouviu da mãe a seguinte resposta: “não sabia que pagavam para tirar fotos amarrada”.
Pensava eu, humilde colunista, que esse tipo de “escândalo” era algo corriqueiro apenas na mídia americana. Mal imaginava que um dia o raio poderia cair pela segunda vez, não no mesmo lugar, mas sobre a mesma questão – o passado como modelo de uma participante de reality show.
Entendo que aqui no Brasil posar para fotos amarrada e amordaçada, mesmo que sem nudez ou vulgaridades, ainda é algo que causa estranheza. Mas quem sabe, se acabar o preconceito, torne-se uma profissão como qualquer outra.
Como posar para catálogo de roupas ou para anúncio de cosméticos. Afinal, estar amarrada não significa que a modelo libertou-se de seus princípios éticos ou morais. Agora, convenhamos, isso tornar-se um escândalo, significa que ainda existem muitos ignorantes(*), no sentido próprio da palavra.

(*) Ignorante - pessoa de pouca cultura; quem critica algo sem conhecer; aquele que desconhece o assunto.

Por B.F.S. de Curitiba – PR.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Aos Assinantes do site Bound Brazil


Como já foi comentado na matéria de Sexta-Feira passada, devido ao interesse de parte da mídia por uma modelo de nosso site, todo o trabalho foi retirado em prejuízo aos assinantes, embora não haja nenhum vinculo entre a modelo em questão com qualquer outra pessoa como está sendo veiculado.
Essa atitude encerra toda e qualquer especulação que possa criar um link entre o trabalho que realizamos no campo do fetiche, o qual é de inteiro conhecimento tanto dos assinantes do site como dos freqüentadores desse blog, a comentários espúrios de parte de pessoas proprietárias de sites e blogs vinculados a celebridades sobre vídeos ou fotos com conteúdo pornográfico de determinadas modelos.
O site Bound Brazil apresenta um trabalho de fotos e vídeos com atualizações semanais desde a sua criação em Outubro de 2008 relacionado ao fetiche de love bondage, sem conteúdo de nudismo ou qualquer exposição pornográfica.
Pedimos imensas desculpas aos assinantes do site pelo inconveniente, que é explicado em parte pelo assédio que tanto o site quanto o blog estão sofrendo nos últimos dias, através de insinuações caluniosas de pessoas sem o menor escrúpulo que não tem o conhecimento ou qualquer identificação com o trabalho desenvolvido.
Alguns campos também sofreram alterações com o intuito de proteger a nossa privacidade, bem como de nossas modelos e está sendo remodelado devidamente.
Como o site Bound Brazil não possui espaço para qualquer divulgação de matérias em seu conteúdo, estamos enviando esse comunicado aqui pelo blog, uma vez que todos os assinantes do site a quem interessa essa matéria são freqüentadores e comentaristas aqui desse blog.
Finalizando, queremos deixar claro aos nossos membros que nada se altera e o site segue a sua programação normal, inclusive com a atualização de todas as Terças-Feiras como sempre é de praxe divulgar aqui no blog, e será devidamente divulgado amanhã.

Agradeço a compreensão de todos face ao exposto e o carinho dispensado nos últimos dias através das mensagens de apoio que recebemos pelo email contato@boundbrazil.com.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Welcome or Get Out!


A pior coisa que existe na vida é quando o urubu resolve mergulhar num lago e, soberanamente pensa que é um pato... Acho que nem preciso falar sobre o final dessa história.
Pois assim é a vida, e quando menos se espera é possível ler alguma coisa relacionada a fetiche que nada tem a ver com a realidade. Sim, pra quem pratica e conhece o fetiche é real e funciona mais ou menos assim: cada um com seu par, cada um com seu estilo, apesar de conviver na mesma roda, cada qual dança de uma maneira e podem ter certeza de que quem costuma freqüentar essa roda sabe muito bem como se dança de todas as formas, embora se faça da maneira preferida.
Pronto, a receita é simples, ninguém inventa nada e faz o efeito desejado há muitos anos, bem antes do Marques de Sade.
Mas pelo amor de Deus não me venham com esse papo furado de sadomasô!
Isso é clichê e nós, do lado de cá, detestamos ser rotulados.
Essas coisas só acontecem quando o inesperado chega de surpresa e todo mundo passa a entender de um assunto que nunca viu, e pior, sem sequer perder um tempinho tentando decifrar do que se trata. Até na wikipedia é fácil saber o que é, basta ler.
É assim em Copa do Mundo onde gente que nunca foi a um estádio de futebol acha que aquele é melhor do que o outro e vice e versa. Entretanto, bondage não é sadomasô, bondage é bondage, aliás, não existe sadomasô, ninguém pratica sadomasô.
Falo de fetiches o ano inteiro aqui e nunca falei esse termo!
Pode-se até abreviar e dizer “sadomaso”, mas, por favor, sem esse acento ridículo!
Então, é melhor estar preparado porque vem chumbo grosso por aí.
Melhor deixar bem explicado que a boa regra de educação recomenda que ao entrar em casa de estranhos, devemos nos comportar com boas maneiras e respeitar tudo que está a nossa volta, móveis, decoração, objetos, enfim, de forma que sejamos bem vindos.

O blog e o site estão abertos a todos que quiserem porque a internet é publica e todo mundo tem acesso, mas mensagens estranhas serão interpretadas como OVNI e serão tratadas como tal.
É importante dizer aos senhores colunistas e fofoqueiros de plantão que jamais pretendi ou, ainda pretendo, obter fama fora do circuito a que este blog ou o site se dedica, portanto, não fiz nenhuma propaganda em casa alheia e por isso peço o favor imenso de tratarem esse espaço com a dignidade que ele merece.
Fora isso, todos são bem vindos para conhecer um pouco do que consideram o “underground”, desde que saibam que esse ambiente é freqüentado diariamente por gente como vocês, que também assistem televisão e os “reality shows” da vida e já sabem a que estou me referindo.
Essa matéria não tem nenhum caráter de autopromoção, muito pelo contrário, apenas deixa claro que quem vem sempre aqui nunca rejeita ilustres convidados, desde que se portem de maneira pacífica e respeitem para serem respeitados.
No mais, enjoy the content!

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Sexta com muitas novidades no Bound Brazil

Primeiro, vamos ao vídeo da semana do site Bound Brazil.
Take Care (Tome cuidado) é uma produção com vinte minutos de duração seguindo o novo padrão de filmagem com duas tomadas em cena.
Em mais um roteiro de Julia Mayo, a estréia de Yno no papel de ladrão de rua que se aproxima da residência de uma linda garota (Juliana, fazendo também a sua estréia) para praticar um assalto.
Porém, antes do ataque do delinqüente, Juliana recebe a amiga Nicole que por não ter conhecimento da “visita” de um técnico para reparar a internet, abre a porta de casa para a entrada de Yno.
Dominada, amordaçada e amarrada, Nicole sequer pode avisar a amiga Juliana que se preparava para sair da presença do assaltante, sendo surpreendida e imobilizada junto com a colega.
Esse vídeo conta com a utilização pela primeira vez de cordas de couro e dá ênfase às mordaças tipo cleavedgag, uma preferência entre os assinantes do site. Outra novidade é a introdução de personagens do sexo masculino o que dá início a segunda fase das produções, aliás, como já havia sido tema de matéria aqui mesmo no blog.
Atenção meninas, seu pedido foi atendido e espero vocês assistindo nossos vídeos.

Seguindo com as introduções de novos participantes do site, um set muito bem elaborado da estreante Lisa está à disposição dos membros também amanhã, assim como um novo set de Beth com uma amarração meticulosa e segura.


A partir da próxima Segunda estará disponível na área nacional do site e na internacional, o novo acesso para adquirir assinatura através do cartão Visa. Uma sinalização especial estará visível no site indicando o campo correto a seguir. Essa era uma reivindicação nossa e de vários visitantes.

(Na foto acima Lisa e ao lado Beth. Exclusivas Bound Brazil)

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Me hacés la Gauchada?

Setembro de 2006.
Na querida e bela Buenos Aires onde havia viajado a negócios, uma vez com tudo concluído retardei meu regresso para o Domingo e assim teria a Sexta e o Sábado para sugar um pouco do calor portenho.
Cheio de idéias na cabeça, encontrei meu fiel escudeiro Facundo para as viradas da vida sempre com o fetiche ao norte.
Havia uma festa recheada de fetiches naquele começo de Setembro num cabaré da Avenida Córdoba que havia sido alugado pelos promotores, gente conhecida do Facu.
Nessas horas a aba sempre pesa para o lado que aguça, então lá pelas 10 da Noite meu amigo passou no Hotel e juntos fomos a mais uma aventura das tantas que já vivi por lá.
O local bem dark e com reminiscências de bordel, abrigava uma festa legal, com boa música, excelente serviço de bar e gente desfilando exibindo seus dotes, embora não houvesse espaço delimitado para práticas.
Essa foi a minha impressão de primeiro momento e fui muito bem introduzido às pessoas que chegavam com as quais Facundo tinha algum relacionamento.
Naquela mesma noite de festa uma mulher me chamou a atenção e pedi ao grande Facu o favor da apresentação. Se eu disser aqui que a intenção era só papo e nada mais estaria mentindo, mas descobrir os encantos da bela morena argentina e suas facetas fetichistas era meu principal argumento.
Assim conheci Andréa, da província de Córdoba que há anos vivia e trabalhava em Buenos Aires e estava conhecendo aquele mundo pela primeira vez. Com tendências submissas e ares de quem sempre quer saber um pouco mais, começamos a falar em BDSM de uma maneira geral e quase me rendi aos seus encantos de forma definitiva, não fosse o compromisso de estar ao lado de meu amigo que se divertia entre papos e drinques.
Por mais que exista certa aversão do publico que não freqüenta os eventos fetichistas, o ambiente de alegria merece sempre ser destacado, assim como a interação, porque basta apenas conhecer uma pessoa que é fácil se integrar ao movimento.
Houve uma apresentação do pessoal da “Casona del Sado”, um típico clube de BDSM na Capital já nos estertores da festa e o velho Facu com a célebre pergunta: como te fuistes?
Lembrei de contar ao meu amigo que dias antes de seguir para lá havia conhecido uma pessoa no Rio de Janeiro que mudaria os rumos naquela Primavera, por isso a “gauchada” do Facundo serviu como entretenimento e afirmação de que eu estava fazendo a coisa certa.

(Nota: “Hacer la Gauchada” é uma gíria portenha que significa fazer um favor. )

HOJE NO BOUND BRAZIL

Celebramos a estréia de mais uma gata maravilhosa dentre tantas que já fazem sucesso nas páginas do site. No primeiro ensaio, Pietra (foto ao lado) num seguro trabalho de bondage e muita sensualidade.
No segundo set, Monique (AKA Scarlet) e Cris são amarradas exatamente iguais na sala de jantar.
Veja as fotos e comente.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Fetiche: como ir pra cama sem ele?


Tudo que é demasiado torna-se obsessivo e isso acarreta diversos distúrbios pessoais com os quais temos que conviver. Mas tudo isso pode ser evitado se houver uma dosagem e um limite imposto por nós mesmos.
Porém, como explicar a um podólatra, um bondagista, um sadomasoquista que naquele dia tudo tem que acontecer de maneira convencional?
Isso é polemica e muita gente tem opinião formada e nem pensa em abrir mão.
Em meu ponto de vista há que ser dosado, sem ser ortodoxo ou extremista, pois tudo na hora certa e da melhor maneira é muito mais gostoso. E o que seria de mim se não pensasse assim com todas essas Deusas que encontro toda semana para uma sessãozinha de bondage?
Nossos anseios são terríveis e por inúmeras vezes difíceis de controlar, principalmente quando existe alguma coisa diretamente ligada ao que mais gostamos. A palavra fetiche em seu significado já diz tudo: feitiço. Pois é, muita gente não sabe, mas fetiche vem da palavra feitiço, porque quando Charles de Brosses em 1757 deu o significado da palavra Fetiche, o termo já havia se difundido na Europa trazido pelos portugueses que assim chamavam os instrumentos religiosos usados na África Ocidental.
Daí em diante os estudiosos encontraram na psicanálise um elo entre a adoração por objetos e as práticas sexuais que são fonte de desejo.
Mas o sujeito gosta de bondage, está sentado no sofá da sala com a mulher ao lado e na tela começa a exibição de “Ata-me” de Almodóvar, onde e como se pode supor que essa aventura vai terminar?
O auto controle é extremamente necessário em situações que envolvem o comportamento social de cada pessoa ligada às práticas fetichistas, e isso todo mundo concorda porque é regra de conduta. Porém, se o pavio começa a incendiar a alguns metros na tela de uma televisão e entra em cena aquela velha máxima de que tudo posso e tudo é permitido dentro de quatro paredes, em nome de uma boa relação consensual, controlar torna-se uma tarefa humanamente impossível.
Se esses incentivos de difícil controle forem à mola mestre para impulsionar uma relação, poderá haver um divisor de águas que separe as relações fetichistas das sexuais sem o emprego dessas práticas, sem importar se essa relação a dois é entre um fetichista e alguém de fora ou entre ambos com o desejo acentuado pelo fetiche.
A monotonia é uma das causas para um final de relacionamento melancólico e qualquer relação, fetichista ou não, corre o risco de cair nesse abismo. Se uma relação sem pimenta pode ser considerada monótona os excessos devem ser combatidos também. Ninguém agüenta feijão com arroz todo dia.
Esse desgaste torna-se mais evidente quando agente tem a impressão de estarmos sendo intensos demais, é quando sabiamente deve haver uma reflexão profunda com o intuito de preservar o que foi construído.
Concluindo, quando ele ou ela começam a aceitar práticas fetichistas para agradar ao parceiro é sinal de que existe algo de podre no Reino da Dinamarca, portanto é chegada a hora de uma análise em conjunto através de um diálogo sincero para que no futuro isso não seja sinônimo de arrependimento.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Belas e Perfeitas


É muito legal produzir um vídeo e poder contemplar com prazer a obra realizada.
Semana passada, quando produzia o filme que vai ao ar amanhã no Bound Brazil “Nasty Pictures”, senti um entrosamento total entre o que foi traçado pela roteirista, a direção e as modelos.
Pela primeira vez foram utilizadas duas câmeras para uma produção, e estamos buscando aprimoramento técnico capaz de oferecer ao assinante do site um trabalho melhor elaborado a cada semana.
O vídeo com duração de vinte minutos, narra à história de uma fotógrafa (Scarlet) que iniciante nesse tipo de atividade, encontra sérias dificuldades de conseguir modelos para seus trabalhos. Com um estúdio montado e aparelhado, resolve então seqüestrar belas modelos para posarem em seus ensaios.
Nicole e Fernanda são capturadas pela vilã e forçadas a participar das cenas, porém, em face da resistência das duas, Scarlet dá inicio a uma trama psicológica e consegue o apoio de uma das amigas. Mas o enredo guarda as suas surpresas e mostra um final surpreendente e inesperado.
Com um roteiro de Julia Mayo e imagens de Lucia Sanny, “Nasty Pictures” comprova a beleza do elenco que estrela o vídeo e mostra a capacidade de adaptação que essas meninas estão desenvolvendo em relação ao fetiche de bondage: Perfeitas!
Cordas e algemas foram utilizadas nessa produção e mordaças do tipo cleavedgag.
Confira e opine.



NAS FOTOS

Dois novos sets de fotos apimentam a atualização de Sextas do Bound Brazil.
Karine estréia com um set todo produzido em posição hogtied e bare feet atendendo a inúmeros pedidos de assinantes do site.
Outra estréia amanhã será a apresentação de Jenifer em dupla com a belíssima Sarah Moon num ensaio de muita sensualidade e ótima resolução de amarração.
Portanto, dois novos sets e duas estréias, um motivo a mais para se associar ao Bound Brazil que não deixa de cumprir as metas de atualização e segue um cronograma elaborado junto aos seus assinantes.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Vida Nova


Pensar positivo, olhar sempre pra frente, aceitar os desafios.
A vida tem dessas coisas e quando resolvemos encarar e, principalmente, acreditar nas nossas idéias é o primeiro passo para o sucesso.
O BDSM no Brasil precisa sair dos guetos e se tornar palpável, criar espaço para que novas pessoas possam ter a chance de realizar e interagir com o seu próprio prazer.
É preciso dar sentido ao significado que as letras traduzem, unir gente de todos os cantos dessa terra e aceitar o prazer de cada um, sem preconceitos e sem meias verdades.
Agora a pouco, numa assembléia da Associação BDSM do Brasil aceitei a indicação para ser o primeiro Presidente da Associação desde a sua fundação no começo do Milênio. Ser a primeira escolha para estar à frente da ABDSM por dois anos, criar um estatuto definitivo, eleger uma diretoria nacional e desenvolver os projetos em andamento e muitos outros que por esse período virão, são motivos de orgulho e satisfação.
Não é uma tarefa fácil, por isso, antes de assumir esse comprometimento posto aqui no blog essa noticia e divido com todos que junto comigo estão convidados a participar dessa empreitada.
Vamos criar um calendário nacional e levar eventos a todos os lugares desse país, através das secretarias regionais que serão criadas com o intuito de difundir o BDSM onde as carências são mais latentes.
Assim como esse blog recebe gente dos mais diferentes lugares, a ABDSM vai estar representada não apenas de forma virtual, mas através da pessoa jurídica que será criada nos próximos dias.
O fetiche de cada um será respeitado porque haverá embasamento para que isso seja fato e se torne real.
É preciso que esse comprometimento seja de todos os fetichistas que imaginam um mundo melhor amanhã, onde ninguém fique com duvidas sem solução, porque existirá apoio de pessoas que poderão contribuir pela experiência acumulada pelos anos de práticas.
Muita coisa faz parte dos planos e projetos para essa missão, porém, o apelo maior é pela união definitiva de todos em torno dessa idéia de nacionalizar e agrupar o que hoje é apenas iniciativa de pequenos setores solitários.
A Associação BDSM do Brasil a partir de hoje pertence a todos e espero contribuir com a organização desse empreendimento, para que daqui a dois anos quando um segundo mandato entre em vigor, possa usufruir de uma estrutura capaz de gerir uma vertente que cresce a cada dia, mesmo desordenada e sem a orientação devida.
Portanto, peço através dessa matéria o apoio de todos para que possa dar início a esse grande projeto que será para benefício de todos.
A pedra está lançada e espero ser merecedor da confiança que me foi depositada hoje, quando em meio aos inúmeros compromissos que minha vida profissional me infringe, aceitei ser o porta-voz de tanta gente que amo.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

O Livro das Revelações (The Book of Revelation, Austrália, 2006)

A diretora Australiana Ana Kokkinos criou uma trama com o intuito de ter um apelo erótico, mas que se transformou em uma obra de ficção com excelente resolução de dança e musica contemporânea.
Lançado há bem pouco tempo em DVD, o filme O Livro das Revelações gira em torno de um relato fantástico onde um dançarino no dia da estréia de seu espetáculo é raptado por três mulheres mascaradas que durante doze dias consecutivos o mantêm em cativeiro impondo-lhe abusos sexuais.
Temendo ser vitima de chacotas se relatasse o caso às autoridades, o bailarino desiste de prestar queixa para evitar que sua saga fosse julgada inacreditável, porém mergulha num profundo abismo de depressão pelas humilhações sofridas durante o período de cativeiro quando as mulheres mascaradas resolvem inverter os papéis e sequer consegue retomar sua carreira e seu casamento.
A principio, a trama desenvolvida nos dias de cativeiro traduz cenas tórridas e interessantes de BDSM com doses de erotismo muito bem fotografadas o que dá todo o caráter erótico a que o filme se propõe.
A diretora do filme deixa duvidas nos espectadores por conta da busca incessante que o bailarino exerce sob suas raptoras a se ver livre do cativeiro, porque se para alguns pode parecer sede de vingança, para outros retrataria somente a vontade de passar por tudo outra vez. Através de um emprego de barman, ele começa uma busca por todos os lugares da cidade procurando encontrar em todas as mulheres que julga certa semelhança, algum sinal ou cicatriz que possa levá-lo a encontrar as autoras do rapto.
Dissuadido da idéia obsessiva por sua coreógrafa, transforma a experiência vivida nos doze dias de cativeiro numa coreografia perfeita através de uma comovente interpretação.
Apesar da conotação de “guerra dos sexos” levantada por diversos críticos, a obra tem na verdade um apelo fetichista extremo, onde a situação vivida pela vitima do rapto é desejo de muita gente que gosta desse tipo de fantasia.
O cenário é muito bem elaborado e as mulheres raptoras fazem o papel de dominadoras com muita competência, levando o espectador a delírios inimagináveis com as cenas durante o seqüestro. Sem muita liturgia de BDSM ou obedecendo a critérios de conduta consensual, o filme traduz um desejo sexual em quem é fetichista e uma curiosidade extrema em quem nunca experimentou esse tipo de prazer.
O DVD pode ser adquirido em grandes lojas, em vários sites na internet ou no endereço eletrônico abaixo.
Vale a pena ver toda essa trama de excelente qualidade.

http://www.arenadvd.com.br/arenadvd/product.asp?pf_id=EV25372&dept_id=7

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Toda a Magia dos Pés


Lendo e relendo algumas matérias sobre podolatria, acho que sempre é bom focar um assunto que é do interesse de muita gente.
Quando se fala em pé logo surgem às reivindicações. Tamanho, cor de esmalte, postura e cheiro. Cada um gosta de uma forma particular, pequenos, grandes, dedos longos, curtos, unhas vermelhas, mas dez entre dez amantes dos pés têm verdadeira ojeriza por sabonetes e cremes hidratantes. Esses produtos, importantes na higiene e na conservação dos pés das madames, são odiados pelos podolatras que preferem o cheiro natural dos pés, mesmo suados após um longo dia de trabalho.
E essa onda ultrapassa os continentes. A modelo americana Ashley Fires realizou um leilão para vender aos seus fãs um par de meias tipo de ginástica que garante ter utilizado durante dois meses sem lavar em seus exercícios de academia. Verdade ou não, o certo é que a lindíssima loira de Los Angeles arrecadou uma bolada com essa iniciativa e quem foi o agraciado pelo lance mais elevado, precisa ser um especialista em olfato para ter absoluta certeza de se tratar do objeto desejado.
Em Portugal, costuma-se chamar esses sapatinhos sem salto fechados que as mulheres usam de Sabrinas, e num blog dedicado a esse assunto o blogueiro ensina como fazer para manter o cheiro do suor dos pés de sua esposa mesmo quando retira os sapatos ao chegar me casa. Chega ao ponto de sugerir que as meias utilizadas devem ser colocadas num pequeno saco plástico com lacre para que o cheiro do suor não desapareça e possa permanecer intacto para a reutilização no dia seguinte.
Noves fora a atração pelo cheiro dos pés, inúmeras são as opiniões a respeito do calçado preferido, abertos ou fechados, dominantes ou passivos, tudo é parte de um grande contexto que cabe dentro do fetiche por pés.
Os mais experientes na certa viram muitas modas passarem ao largo da vida, com isso a mudança de design dos calçados é bem acentuada, em todo verão ou inverno, a criatividade dos estilistas de calçados femininos muda os conceitos dos podolatras que se adaptam ao que as mulheres adotam. Alguns tipos de sapatos são esquecidos e lá na frente podem virar moda outra vez.
Resumindo, podemos dizer que existe um universo dentro do fetiche por pés cada vez mais infinito porque o apelo pelos detalhes é impressionante, e esses pequenos aspectos ficam mais visíveis na medida em que a relação se estende, liberando a timidez tão comum entre parceiros.

DIA DE ESTRÉIA NO BOUND BRAZIL


Amanhã o Boundbrazil apresenta um belíssimo ensaio de total sensualidade com Livia e Lilith que faz sua estréia para os membros do site. No segundo set de fotos, um ensaio maravilhoso com a bela Nicole em mais um trabalho nota 10.
E continua a eleição da melhor modelo do site Bound Brazil, lembrando sempre que os comentários serão direcionados para as meninas e o melhor receberá como premio um mês de assinatura grátis, presente do Bondage & Fetiches.







sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Começando bem 2009


Acabou a festa. É hora de arregaçar as mangas e começar o ano novo com toda a força.
No site boundbrazil.com não poderia ser diferente.
Hoje, dois novos sets de fotos estrelando Jackie num ensaio interessantíssimo e a estréia de Tonia com tatuagens impressionantes.
No vídeo da semana, a apresentação da segunda parte de Vista Ilustre (Special Guest) A Revanche (The Revenge) com Scarlet, Brida e Hanna Vitória numa trama empolgante com 20 minutos de duração.
Para os assinantes fica aqui a sugestão de assistir ao primeiro vídeo para o melhor entendimento da segunda parte, onde Hanna Vitória busca se vingar das amigas que a fizeram de vitima no vídeo original.

E segue a enquete da modelo de sua preferência do site Bound Brazil.
Lembrando que o melhor comentário a respeito de sua preferida, será repassado diretamente à modelo e o mais criativo segundo a escolha das musas do site, receberá um brinde de um mês de assinatura grátis, um bom presente de começo de ano aqui no blog.